4 de maio de 2016

alguns comentários sobre o dice tower awards 2015


foram anunciados nesta segunda os indicados para o dice tower awards 2015, prêmio anual entregue pelo mais famoso podcast/canal sobre jogos de tabuleiro do mundo: o the dice tower (criado e liderado pelo igualmente famoso e simpático tom vasel). o prêmio, como a maioria dos outros, se divide em diversas categorias, tendo o 'jogo do ano' como o maior dos méritos.

assim como fiz com o golden geek award (nesta postagem), vou tecer alguns breves comentários sobre os indicados em cada categoria relacionados mais ao que li e ouvi sobre os jogos, visto que, infelizmente, cheguei a jogar somente alguns poucos deles - mais exatamente: o 'pandemic legacy' (lançado no brasil pela devir), 'xcom: the board game' (lançado pela galápagos jogos), 'fury of dracula' (mas que aqui está concorrendo pela reimpressão, que ainda não conheço), 'the gallerist' (lançado pela fire on board) e 'tides of time' (lançado pela funbox jogo). justamente por já ter comentado o golden geek award, de vez em quando farei paralelos e comparações entre as duas premiações, então se em algum momento eu mencionar "o outro post", estarei falando dele.

os indicados ao dice tower award, bem como seus vencedores, são eleitos por cerca de 70 jurados, compostos pela equipe do the dice tower (exceto o próprio tom vasel, se não me engano) juntamente com demais convidados relacionados à indústria de boardgames: reviewers, bloggers, críticos, designers, etc. os vencedores serão anunciados ao vivo no dice tower con, em julho.

sendo assim, os vencedores do dice tower award são normalmente jogos "menos" populares que os do golden geek award (que são eleitos pelos próprios usuários do BGG), tornando essa uma premiação mais "justa" se levarmos em conta a qualidade dos jogos. porém, dá pra notar que os jogos fortemente populares do ano passado são todos de grande qualidade, aliando muito bem mecânicas, arte e tema (e sempre com um quê de inovação), mostrando como a indústria está crescendo e, também, evoluindo constantemente. isso se reflete na presença dos mesmos jogos nas diversas categorias das duas premiações e, provavelmente, se refletirá também entre vencedores.

(e se você quiser conhecer os vencedores do dice tower award dos anos passados, basta dá uma olhada nesse link.)

bem, aos indicados:

já esperada a presença do 'above and below' - com os sempre belos desenhos do ryan laukat (designer e artista de todos os seus jogos), 'mysterium' - com suas cartas grandes e surreais à la 'dixit' (e que deve levar o prêmio), e o 'time stories' - com sua arte bastante clean (e justamente por essa razão, acho bem interessante a presença dele tanto aqui quanto como runner-up do golden geek award).

aqui também temos o 'ashes: rise of the phoenixborn', um jogo de cartas de combate direto. o que mais me atrai na arte do jogo não são nem os desenhos em si, mas o design gráfico das cartas, em que optaram por um esquema mais clean (ao contrário da maioria dos jogos nesse estilo - 'magic', 'android: netrunner', etc.), com cartas de fundo branco (incluindo o fundo das caixas de texto/stats) e sem bordas enfeitadas, muito mais interessantes que a capa do jogo.

por fim, me agrada a presença do 'the grizzled', com arte do tignous (um dos cartunistas mortos no atentado de charlie hebdo), num estilo bem diferente do que normalmente vemos (pelo menos entre jogos mais populares) e que evoca bem o clima do jogo, ambientado na primeira guerra mundial.

... ou "melhor miniaturas" (o que não é de se espantar, visto que miniaturas virou estratégia de venda, algumas vezes mais importante que um bom design).

'blood rage' (lançado por aqui pela galápagos jogos) e 'cthulhu wars' figuram aqui com certeza por causa de suas belas (e grandes) miniaturas de monstros, principalmente. 'star wars: armada' segue o mesmo esquema de jogo de combate de naves que seu "irmão" 'star wars: x-wing' (que levou essa categoria em 2012), mas numa escala ainda maior - ou seja: miniaturas de destroyers e cia lindas e cheias de detalhezinhos. o 'forbidden stars' segue o mesmo esquema de todo grande épico da fantasy flight: muitos componentes elaborados e miniaturas - de novo - fantásticas.

a única exceção à regra das miniaturas é o 'flick 'em up!', um jogo de peteleco ambientado no velho oeste cheio de componentes de madeira (ae!) e papelão. e acho que, por isso mesmo, o jogo pode sair como vencedor da categoria.

quatro dos jogos aqui foram muitos elogiados justamente por serem - entre outras qualidades - bastante temáticos: 'baseball highlights: 2045' - considerado por alguns o melhor jogo de baseball já feito, 'blood rage' - tão falado por aliar muito bem tema a mecânicas euro, 'pandemic legacy' - com seu sistema legacy que traz um imersividade ímpar (e que por isso deve levar o prêmio), e o 'time stories' - misturando a narrativa dos (bons e) velhos livros de aventura solo com um sistema cooperativo.

a surpresa é a presença do 'food chain magnate', um euro bem pesado com componentes que mais parecem ser de um protótipo de jogo. nunca joguei, então não posso falar, mas, considerando o que vi, acho bem estranho a presença dele aqui. talvez esteja entre os indicados justamente por ser um jogo mais heavy e, ao mesmo tempo, temático.

quem leu o outro post deve lembrar que achei injusto o vencedor nessa categoria, pelo golden geek award, ter sido o 'pandemic legacy', visto que o jogo nada mais é do que a mistura do 'pandemic' normal com o sistema legacy - que foi, sim, inovador na sua criação, em 'risk legacy' (e que levou, merecidamente, esse prêmio em 2011). pois bem, o dice tower award reparou a injustiça com a ausência do jogo até mesmo entre os indicados.

'mysterium' está aqui principalmente por trazer "mais jogo" ao sistema de 'dixit'. 'xcom: the board game' não é exatamente inovador na sua ideia de ações com tempo contado (o que traz uma tensão fantástica ao jogo), mas por aliar esse aspecto a um sistema cooperativo em que cada jogador possui uma função completamente distinta do outro. 'codenames', do cultuado vlaad chvátil ('through the ages', 'galaxy trucker', 'dungeon lords', entre outros), mistura um party game de equipes com word game e uma temática detetivesca num sistema bem curioso, divertido e incrivelmente simples (deve ser lançado no brasil esse ano pela devir). já o 'time stories', como dito, traz um pouco da narrativa dos antigos livros jogos a um sistema cooperativo de investigação e dedução, apresentando em cada expansão mistérios que devem ser desvendados pelos jogadores - e que, consequentemente, só podem ser jogados uma única vez (o que, convenhamos, é bem diferente do normal).

mas quem deve levar é o '504', experimento de friedemann friese (do 'power grid') que apresenta 9 tipos de mecânicas, em que são selecionadas 3 (a ordem importa) para formar o jogo específico a ser jogado - resultando em 504 jogos diferentes numa única caixa. isso tudo aliado a um tema que funciona! mesmo que 99% desses 504 jogos sejam medíocres, a proposta do friese é grandiosa, curiosa, diferente e interessante o suficiente para levar qualquer prêmio de jogo mais inovador de 2015 (ou deveria levar...).

naturalmente, os cinco concorrentes são expansões de jogos já consagrados. como dito no outro post, acho interessante ainda termos um novo mapa para 'ticket to ride' (o único que joguei dos jogos base daqui) tão popular - e por essa razão (apesar de grandes elogios a todas as outras expansões), creio que ele leva essa.

achei que eu iria encontrar aqui a expansão para 'orléans', 'orléans: invasion', visto que foi tão comentado por trazer, curiosamente, um cenário cooperativo a um jogo fortemente competitivo (além de outros cenários solo).

para a categoria que envolve, provavelmente, os mais populares do ano, acho interessantíssimo ver jogos de estilos bem diferentes: um word game de equipes, um jogo de peteleco, um set collection bem interativo, um cooperativo de dedução e um jogo de estratégia leve.

dada a sua popularidade, o 'codenames' deve levar essa. 'new york 1901' aparece aqui como o 'ticket to ride' do ano: um jogo de estratégia bem simples, acessível e simpático. 'flick 'em up!' e 'mysterium' são jogos curiosos e, aparentemente, divertidos, com arte/componentes de qualidade, então natural que estejam entre os concorrentes.

acho estranho a presença do 'lanterns: the harvest festival' no lugar de outros jogos como 'cacao', 'above and below' e 'between two cities' (que foi um dos runners-up nessa categoria do golden geek award).

apesar de todos serem cooperativos, também dá pra notar uma grande variedade de estilos nos jogos dessa categoria. isso demonstra como a indústria está passando por um período criativo ainda muito aberto e bem explorado, possibilitando essa diversidade de novos jogos.

todos muito bem elogiados e de grande sucesso comercial ('the grizzled' aqui como o patinho feio perto dos demais concorrentes), mas quem leva com certeza é o 'pandemic legacy'.

acho muito interessante notar como os jogos cooperativos estão saindo daquele esquema de jogo aberto (e quando não é aberto, possibilita que os jogadores troquem informações sobre as cartas, normalmente, que têm na mão, mas não de maneira direta (o que acho bem bobo), como temos em 'shadows over camelot' e 'say bye to the villains') com uma situação imposta pelo próprio jogo que precisa ser vencida (ou resolvida, num esquema quase puzzle) - o que acaba levando ao problema do alpha player (que encontramos no próprio 'pandemic', mas que é contornado pela natureza do sistema legacy). em 'xcom: the board game', por exemplo, os jogadores possuem funções completamente diferentes, cada um com suas responsabilidades e seus problemas. em 'time stories', por ser um jogo mais narrativo em que todos devem desvendar um mistério, é exigido muito trabalho em grupo e discussão sobre os acontecimentos do jogo. 'mysterium' traz um pouco desses dois aspectos, com um jogador específico tentando passar informações para os demais, que devem trabalhar juntos para entender os "sinais" passados. e, por fim, 'the grizzled', que ficou famoso pelo clima de camaradagem que o jogo/tema traz, num card game bem difícil e cheio de decisões.

aqui, 'codenames' deve levar novamente.

'mafia de cuba' (a ser lançado logo logo pela galápagos jogos), um jogo de dedução social (tipo 'the resistance' ou 'coup'), foi muito bem falado, principalmente, pelo seu sistema em que os jogadores escolhem seu personagem (indicando seu time) no decorrer do jogo.

só ouvi falar dos 'CS-files' (também conhecido como 'deception: murder in hong kong') e 'two rooms and a boom', então não tenho o que comentar sobre eles...

acho estranho a ausência do 'flick 'em up!' nesta categoria, principalmente pelo fato dele ter aparecido entre os indicados a family game.

aqui entra novamente minha indagação sobre se o 'pandemic legacy' deveria estar nessa categoria ou na de family games. ainda mais se levarmos em consideração que o 'pandemic' concorreu, em 2008, para family game (apesar de que naquela época não existia a categoria de strategy games). o que me leva a crer que ele entre como um jogo na categoria estratégia, aqui, somente devido ao seu sistema legacy. (no BGG o 'pandemic está nas categorias 'family' e 'strategy' enquanto o 'pandemic legacy' está nas categorias 'thematic' e strategy'.)

enfim, deve levar mais um prêmio.

'blood rage', 'roll for the galaxy' (que dizem ser ainda melhor que o 'race for the galaxy') e 'the voyages of marco polo' (anunciado pela devir) são muito elogiados e poderiam levar em qualquer outro ano, mas... 'elysium' também é bem cotado, mas desconfio que, se comparado aos outros quatro jogos, está aqui mais pra completar a categoria.

não sei exatamente quais as condições pra ser um concorrente neste categoria. inicialmente, eu achava que era destinada a jogos feitos exclusivamente para dois jogadores. porém, com exceção do 'raptor' e '7 wonders: duel', todos podem ser jogados com até quatro pessoas. me parece que o 'baseball highlights: 2045' e o 'risk: star wars edition', com mais de duas pessoas, são jogados como uma disputa entre dois times. bem, se alguém tiver mais informações sobre isso, coloca nos comentários.

de todo jeito, é quase certo que o '7 wonders: duel' (versão para duas pessoas do '7 wonders') leve essa.

o 'raptor' me parece ser um jogo bem interessante, visto que é assimétrico (adoro jogos assimétricos): um dos jogadores controla velociraptors e outro, cientistas que tentam capturá-los. o jogo é um card driven (tipo de jogo onde as ações são definidas por cartas usadas pelos jogadores) bem tático e simples, criado pela dupla bruno cathala e bruno faidutti (responsáveis pelo 'mission: red planet').

se eu não tivesse assistido alguns vídeos sobre o 'risk: star wars edition', iria achar bem estranho a presença dele como um indicado (pra quem não sabe, o 'war' é a versão brasileira do 'risk'). porém, o nome 'risk' está no jogo somente para fins comerciais, visto que o sistema é bastante diferente (dá pra notar isso somente pelas imagens dos componentes).


para estar aqui, o designer (ou um dos designers) deve ter criado no máximo um único jogo anteriormente (ou seja, o jogo indicado deve ser o primeiro ou segundo de um dos criadores).

dada a popularidade e os demais aspectos envolvidos (ver as demais categorias em que o jogo concorre), é certo que o vencedor será o 'time stories'. 'betwee two cities' e 'new york 1901' são bastante elogiados, mas não chegam a ser um páreo para esse cooperativo inovador. sei quase nada sobre o 'stockpile', então não há o que opinar. não entendo os vários e grandes elogios sobre o 'tides of time' (esse eu joguei!), visto que é basicamente um '7 wonders' super simplificado para somente duas pessoas - já me disseram que quando os dois jogadores conhecem bem as 18 cartas do jogo, ele fica bem mais interessante, então darei outras chances (afinal, uma partida dura cerca de 15 minutos). mas não estou certo se ele está aqui por falta de concorrência...


se não me engano, para concorrer a esta categoria, a editora precisa ter publicado até três jogos além do indicado.

essa é a categoria mais difícil para eu chutar um possível vencedor... pelos reviews e críticas, eu diria que o 'champions of midgard' leva, porém, pelas mesmas razões, é possível que o 'between two cities' fique com esse prêmio (e ele deu as caras como runner-up na categoria family game no golden geek award). pelo que ando vendo, o hype sobre o 'burgle bros.' está começando agora, mas ainda não sei se é mais pelo visual do jogo (a caixa é um prédio que funciona como um de seus componentes!) ou por mérito. chuto que será um desses três.

outra categoria bem complicada para chutar um vencedor, visto que já temos de cara três grandes clássicos: 'el grande' (jogo de 1995 considerado ainda por muitos como um dos melhores area control), 'fury of dracula' (mais uma reimplementação do clássico jogo de horror de 1987) e 'through the ages' (que há muitos anos figura no top 10 do ranking do BGG - e já tendo sido batido pela nova versão). difícil escolher entre os três, mas ficaria com o 'through the ages' justamente pelos altos ratings que o jogo tem. (ah, e foi anunciado pela devir.)

'stronghold' é um jogo feito, principalmente, para duas pessoas, também assimétrico, que se passa durante um cerco, em que um jogador controla os atacantes e o outro deve defender a fortaleza. sempre tive muita curiosidade em conhecê-lo, mas nunca teve tanta atenção quanto parece merecer. essa segunda edição talvez traga mais popularidade pra ele. porém, não leva esse prêmio.

'mission: red planet', da dupla responsável pelo já mencionado 'raptor', teve uma merecida e elogiada reimplementação (o original é de 2005), mas também está aqui somente como figurante.

por fim, mas não menos importante, chegamos ao jogo do ano. e é quase certo que o 'pandemic legacy' - merecidamente - levará. não simplesmente pela sua imensa popularidade (levando-o a chegar ao primeiro lugar no rank do BGG rapidinho), mas por trazer ao já excelente 'pandemic', através do sistema legacy, uma experiência única dividida em várias partidas cheias de tensão e muita muita diversão (misturado com um pouco de frustração em muitos momentos). (se você não conhece ainda como o jogo funciona, dá uma lida nesse post!)

além do 'pandemic legacy', é natural que tenhamos os outros hypes do ano entre os indicados: '7 wonders: duel', 'blood rage', e 'time stories' - todos poderiam sair como vencedor em qualquer outra edição dessa premiação.

interessantemente, temos aqui todos os concorrentes da categoria strategy game, mostrando que os jurados provavelmente são, em sua maioria, jogadores mais gamers (que preferem jogos mais estratégicos). a presença do 'the gallerist' - jogo pesadíssimo do português vital lacerda - parece confirmar essa suspeita.

além deles, temos o 'mysterium', presente em outras categorias e também bastante popular (e que deve ser lançado no brasil em breve).

--------------------------------------------------------------------------

e vocês, acham que quais jogos sairão como vencedores? torcem pra quem? não deixem de compartilhar suas opiniões nos comentários!

Nenhum comentário: